Make your own free website on Tripod.com

Conversa com Cacá Mourthé

caca_e_adri.jpg (31489 bytes)

Cacá Mourthé, que dirige a peça infantil "A Bruxinha Que Era Boa", em cartaz no Teatro Tablado, fala a Brasil em Cena, contando sua carreira e a história do Tablado.
Entrevistada por Adriana Mello

Brasil em Cena  – Como você começou no teatro?

Cacá Mourthé - A primeira peça que eu fiz, e ficou em carreira, foi "Pluft, o Fantasminha", sendo que eu era o Pluft.

Com 11 anos eu e um grupo tínhamos aulas com minha mãe Aracy – irmã da Maria Clara – que era professora de crianças de 11 a 13 anos, e é até hoje. As aulas eram às segundas-feiras e eu adorava.

Na época a Clara dava aulas para adultos e adolescentes e com 15 anos eu entrei para seu grupo. As aulas no Tablado começaram em 1964 porque as mães, amigas da Clara que tinham filhas adolescentes, pediam . Ela então formou uma turma e começou a dar as aulas . No ano seguinte já havia duas turmas: dos adiantados e dos atrasados – que tinham acabado de entrar. Foi assim durante muito tempo, até 1970, mais ou menos.

O Tablado está nesta casa desde 1951. Aqui, nessa zona da Lagoa, perto do Jardim Botânico, tinha uma favela, uma fábrica e o Patronato da Gávea, onde fica hoje o Teatro Tablado, que era um ambulatório de assistência social para o pessoal da fábrica e da favela. A Clara era bandeirante e as bandeirantes tinham que prestar algum serviço social. Algumas delas vieram para o Tablado e começaram a trabalhar com eles como auxiliares de enfermagem.

Um dia a diretora do Patronato da Gávea falou –"Clara, eu acho que você não dá para dar injeção. É melhor fazer uma recreação com as crianças". Ela então deixou o ambulatório e foi para uma sala, onde agora é o Teatro Tablado, para brincar com as crianças.

A paixão da Clara era teatro de bonecos, fantoches, mais tarde ela resolveu adaptar as peças que havia escrito para fantoches, como "Pluft", "O Boi e o Burro" e montar com gente.

Foi um sucesso, e logo um grupo de amigos da Clara, estudantes da PUC, resolveu fundar o teatro amador do Tablado, em 1951. Essa é a história do Tablado. Não foi programado. A Clara, com 30 anos não sabia o que queria da vida, não tinha noção do que queria ser. E a coisa foi indo. É interessante,- não é? - , como a vida vem.

BeC – Você já pensava tão cedo em dirigir uma peça, em ensinar teatro, ou foi por acaso?

C. M. – Aos cinco anos de idade eu vivia no Tablado. Em vez de ir ao cinema, à praia, eu ia para lá, com a Clara, assistir os ensaios de sábado e domingo e ficava ao lado dela dando palpites – "Nossa, olha aquela voz está arranhando a garganta!".

A peça "O Cavalinho Azul" escrita pela Clara, conta a estória de um menino que sai pelo mundo à procura de seu cavalinho – na verdade um pangaré – que foi vendido pelo pai na feira. No final ele encontra o cavalinho que realmente é azul. A peça acaba com o menino e seu cavalinho entrando – "venha, meu cavalinho azul" – e fechava a cortina. Eu fiquei absolutamente triste, porque era muito pequena e queria que todos ficassem juntos, o pai, a mãe, o menino e o cavalinho. Comentei isso com a Clara e ela incluiu no texto – "vamos para casa que meu pai e minha mãe nos esperam" –ela me usava como termômetro, para saber o que as crianças queriam.

Quando eu tinha uns 11 anos e fazia aulas com minha mãe, fundamos no Tablado o "Tabladinho" com a Louise Cardoso nos dirigindo. Eram meninas de 11, 12 anos, montávamos peças da Clara para levarmos às favelas, orfanatos, hospitais. Fizemos isso durante muito tempo, de graça e era um trabalho muito interessante, cada vez uma platéia diferente, um espaço diferente.

Mais tarde a gente fez um grupo de palhaços que foi um sucesso na época, que eram os "Irmãos Flagelos". Uma moça, Aminta Duvivier, pediu para a Clara arrumar uns palhaços para a festa de aniversário de sua filha . Ela chamou a Sura Berdichevsky, o Milton Dobbin, que foi professor do Tablado e já faleceu, o Zé Lavigne, que agora é diretor do Caceta e Planeta, Louise Cardoso e eu. Fizemos então um grupo chamado "Irmãos Flagelos". Foi um sucesso absoluto! Na época, década de 70, não tinha muito animação de festa, só uns mágicos, umas coisas mais tradicionais, não existiam esses grupos de animação que agora tem. No mesmo dia conseguimos agendar outras festas.

Deu tão certo que esse grupo durou uns 4 anos. Fomos contratados pela Prefeitura, Departamento de Parques e Jardins. A Louise saiu e entrou o Fernando Becker que agora é professor do Tablado.

Depois dessa fase, eu com 17 anos, os professores do Tablado eram os da década de 1970, da turma adiantada. Bernardo Jablonsky, Sura, Louise, pessoas que tinham aprendido com a Clara e naquela época não existia divisão de turma por faixa etária como tem hoje, era todo mundo junto.

Uma vez, numa reunião de professores, a Sura falou – "Clara, porque você não põe a Cacá para dar aula para as crianças?". A Clara olhou para mim – eu era muito nova – "Você quer, Cacá?" – "Eu quero!". Foi aí que comecei a dar aulas para crianças. Eu tinha 18 anos.

Aos 20 anos, eu tinha um grupo de alunos maravilhosos. Cláudia Abreu, Luísa Thiré, Caco Morais, muita gente legal. Todos eles pequenos, com 14, 15 anos.Com eles montei "O Despertar da Primavera" que é uma peça do Wedekind, que dirigi para apresentar para os pais no fim do ano. Acabamos entrando em cartaz no Teatro Tablado para festejar os 30 anos do teatro, foi um sucesso. Tinha até gente pulando o muro para assistir a peça.

Nessa época, um diretor da Globo assistiu o ensaio e chamou a Cláudia Abreu para fazer um seriado.

Depois eu dirigi "A Menina e o Vento". Foi a primeira peça da Clara que ela entregou para outra diretora.

Fiz a peça "Passo a Passo", no Paço Imperial sobre a história do Brasil colonial, a chegada de Dom Pedro I e Carlota Joaquina no Brasil. Foi uma das primeiras peças itinerantes para crianças. Dom Pedro chegava de carruagem entrando pelo pátio do Paço.

Antes o Aderbal Júnior fez "O Tiro que Mudou a História", no Museu da República, que eu vi , achei maravilhoso e quis também fazer uma peça assim. O Lauro estava querendo uma peça que falasse da história do Paço Imperial. Um ano depois tive a oportunidade, escrevemos o texto junto com a Clara. Ganhei prêmios de direção, teve indicações para atores.

Antes do Paço Imperial eu escrevi e atuei na peça "Confissões das mulheres de 30", com direção de Domingos de Oliveira, meio que no vácuo da Maria Mariana que tinha feito um sucesso danado com as "Confissões de Adolescente", que ainda estava fazendo sucesso. O Domingos chamou a Priscila, umas amigas dela que eram a Clarice Niskier, a Dedina Bernardelli e eu para fazermos a peça. Eu também escrevi muita coisa porque estava me separando e contava histórias engraçadas sobre a separação.

Estreamos no Cesgranrio, Planetário, Teatro Ipanema, e quando foi para o Teatro da Lagoa, saí para fazer o Paço Imperial. Acho que quem entrou no meu lugar foi a Maitê Proença, e a peça seguiu viajando. Hoje está em cartaz em Buenos Aires, sucesso absoluto, e todas as "mulheres de 30" já compraram apartamento. Está há um ano e meio em cartaz e agora talvez vá para o México.